O que é?

A Economia Comportamental é uma disciplina relativamente nova, decorrente da incorporação, pela economia, de desenvolvimentos teóricos e descobertas empíricas no campo da psicologia, da neurociência e de outras ciências sociais. Seus pesquisadores partem de uma crítica à abordagem econômica tradicional, apoiada na concepção do “homo economicus’ que é descrito como um tomador de decisão racional, ponderado, centrado no interesse pessoal e com capacidade ilimitada de processar informações. A economia tradicional considera que o mercado ou o próprio processo de evolução são capazes de solucionar erros de decisão provenientes de uma racionalidade limitada.

Em contraposição a essa visão tradicional, a Economia Comportamental sugere que a realidade é diferente: As pessoas decidem com base em hábitos, experiência pessoal e regras práticas simplificadas. Aceitam soluções apenas satisfatórias, buscam rapidez no processo decisório, tem dificuldade em equilibrar interesses de curto e longo prazo e são fortemente influenciadas por fatores emocionais e pelo comportamentos dos outros. Os economistas comportamentais buscam entender e modelar as decisões individuais e dos mercados a partir dessa visão alternativa a respeito das pessoas. Influências psicológicas, emocionais, conscientes e inconscientes que afetam o ser humano em suas escolhas, são tentativamente incorporadas aos modelos.

A Economia Comportamental propôe-se a entender e modelar as decisões dos agentes de forma mais realista.

O método experimental é a ferramenta mais utilizada pelos economistas comportamentais em sua investigação empírica sobre esses desvios em relação à ação racional.

 por Flávia Ávila e Ana Maria Bianchi

 

Referências:

CAMERER, C. (1999). Behavioral economics: Reunifying psychology and economics. PNAS, v. 96, p.10575-10577.
CAMERER, C.; LOEWENSTEIN, G.; PRELEC, D. (2004). Neuroeconomics: Why Economics Needs Brains. Journal of Economics, v.106 (3), p. 555-579.
CAMERER, C.;LOEWENSTEIN, G. (2002) Behavioral Economics: Past, Present, Future. Caltech.
CAMERER, C. (2005). Behavioral Economics. World Congress of The Econometric Society.
KAHNEMAN, D. (2011). Thinking, Fast and Slow. Farrar, Srauss and Groux / New York, 2011 (traduzido para o português com o título Rápido e Devagar – Duas formas de pensar. Ed.Objetiva).
MELLERS, B.; TELOCK, P. (2002). The Great Rationality Debate. Psychological Science, v. 13(1), p. 94-99.
SHILLER, R. J. (2005). Behavioral Economics and Institutional Innovation. Southern Economic Journal, 72 (2), 269-283 [CFP 1150].
SIMON, H. (1986). Alternative Visions of Rationality. In.: Judgment and Decision Making – In Interdisciplinary Reader (pp. 97-113). Ed. by Hal Arkes and Kenneth R. Hammond, Cambridge University Press. Originally appeared in Simon, H. A. – Reason in Human Affairs (pp. 7-35).
THALER, R.; SUNSTEIN, C. (2008). Nudge: Improving Decisions about Health, Wealth, and Happiness. Yale University Press, (traduzido para o português com o título Nudge: O Empurrão para a escolha certa. Campus)