Prever o que outro irá decidir é um grande desafio da Economia e, mais recentemente, da Economia Comportamental. Contudo, a complexidade humana fez com que as Neurociências entrassem para estudar os processos decisórios mais a fundo ao verificar a relação entre o processamento cerebral e o comportamento. Na junção de Economia, Economia Comportamental, Psicologia Cognitiva

Saiba mais…


O tema da corrupção e desonestidade tem aparecido com alguma frequência nas contribuições a esse site. Fácil trazer aqui alguns exemplos. Em julho de 2017, a profa. Ana Maria Bianchi publicou um excelente ensaio “Como medir Desonestidade”[1], comentando sobre alguns avanços da Economia Comportamental nesse sentido. Citou o livro de Dan Ariely “The (honest) truth

Saiba mais…


Em meu último artigo para o blog, abordei a questão do papel das crenças (beliefs) nos modelos econômicos. Sugeri que a teoria econômica clássica, em especial a teoria dos jogos, prevê um papel meramente instrumental para as crenças. Isto é, o agente econômico forma crenças a respeito das estratégias de todos os jogadores, inclusive as

Saiba mais…


O processo de tomada de decisão é extremamente complexo e sua compreensão envolve aspectos da psicologia cognitiva, economia comportamental e neurociência cognitiva, dentre outros. Estudos recentes têm contrariado a noção de racionalidade proposta nos modelos clássicos sobre como deveria ocorrer a decisão. O decisor sofre a influência da forma como a informação é apresentada, dos

Saiba mais…


Um dos meus maiores fascínios com áreas interdisciplinares é que suas descobertas tendem a seguir caminhos inesperados.  Todo campo científico é complexo e surpreendente por si só, mas um cientista bem informado sempre pode descobrir quais são as principais linhas de pesquisa correntes e formular alguma expectativa sobre quais temas têm mais chances de avançar

Saiba mais…


Homo sapiens ou homo narrans, qual qualificativo se aplica melhor à nossa espécie? O primeiro é mais lisonjeiro, diz Robert Shiller (2017, p. 9), mas o segundo parece mais correto. Em sua recente mensagem presidencial à American Economic Association, Shiller, prêmio Nobel de economia em 2013 e, sem dúvida, um dos grandes nomes das finanças

Saiba mais…



Os métodos autocompositivos são possibilidades de se conseguir soluções alternativas à prestação jurisdicional tradicional. Eles têm o poder de democratizar a resolução dos problemas e colaborar com a desobstrução do Poder Judiciário. Destacam-se entre esses métodos, a conciliação e a mediação. Conforme o Código de Processo Civil (Lei nº 13.105/2015), na conciliação há um terceiro

Saiba mais…


A teoria econômica tradicional, desde pelo menos a publicação do clássico em teoria dos jogos de von Neumann and Morgenstern, dá um papel de destaque às crenças (beliefs) dos agentes econômicos. Esse papel, contudo, é meramente instrumental; ou seja, não entra diretamente na função utilidade. Os agentes utilizam suas crenças para elaborar estratégias para maximizar

Saiba mais…


Este artigo discute a importância dos spillovers em relação às intervenções comportamentais e como eles afetam a finalidade original. Um exemplo concreto pode ser visto no custo das sacolas nos supermercados que tem como objetivo “forçar” os compradores a adotar sacolas reutilizáveis que reduzam os danos ambientais.


O assunto da moda agora são as criptomoedas. Todos falam sobre isso, todos desejam criptomoedas, o assunto é notícia quente em várias mídias, todos os dias surgem pessoas montando fundos de criptomoedas e corretoras apresentando esse novo produto. O valor do bitcoin, um tipo de criptomoeda, desenha um gráfico que mais parece projeto de montanha

Saiba mais…


  1 Introdução Para quem não conhece, a Wikipédia descreve a Teoria dos Jogos como o estudo de modelos matemáticos ilustrando conflitos e cooperações entre agentes racionais. Basicamente, é o uso de ferramentas da lógica e da matemática para entender comportamentos estratégicos (1). Dentro dessa enorme teoria tem “comportamento estratégico para todos os gostos e estilos”: é dilema

Saiba mais…


Indivíduos são, antes de mais nada, humanos. E como humanos, fazem duas coisas: são otimistas no planejamento e, paradoxalmente, inconsistentes na execução. Esse gap entre intenção e ação é observado no comportamento das pessoas, pois faz parte da natureza humana. Parar de fumar, economizar para aposentadoria, fazer exercícios regularmente, ter uma alimentação saudável, ser mais

Saiba mais…


A convivência em grupos foi selecionada na medida em que aumenta a probabilidade de sobrevivência do ser humano (LIEBERMAN e EISENBERGER, 2009). Segundo Tucker e Ferson (2008), os seres humanos são organismos sociais que dependem exclusivamente de redes de cooperação e contratos sociais como forma de proteção contra riscos. Dessa forma, os modelos e estudos

Saiba mais…


No século XXI de Thomas Piketty, a desigualdade é o tema do momento: nos Estados Unidos, veio do movimento Occupy Wall Street o slogan “We are the 99%”, fazendo alusão à grande concentração de renda no 1% mais rico da população. No Brasil, o Ministério Público propôs novo teto para o funcionalismo federal, de R$

Saiba mais…


Todos os dias médicos e pacientes vivenciam o processo de tomada de decisão. Aceitar ou não um novo tratamento. Avaliar se um medicamento parece bom. Decidir se engajar numa mudança de hábitos que levem a uma vida mais saudável. Decisões que podem impactar a qualidade de vida de um indivíduo e seu bem estar de longo prazo. Nesse

Saiba mais…


Atualmente, talvez o principal livro de Economia Comportamental seja o “Rápido e Devagar” [1] . de Daniel Kahneman. Um livro didático e ilustrativo sobre as teorias que o autor usou e desenvolveu junto com seu principal coautor, Amos Tversky. Em geral, o autor descreve um embate com a Teoria da Escolha Racional (RCT) usada na economia e

Saiba mais…


Daniel Kahneman, psicólogo e prêmio Nobel em Economia no ano 2002, apresenta brilhantemente em seu livro “Rápido e Devagar – Duas Formas de Pensar”, a forma na qual as nossas decisões combinam o uso da lógica com o uso do pensamento automático.(2) As heurísticas – esses atalhos mentais que às vezes são associados com a

Saiba mais…



Tomada de decisão Em um mundo em constante mudança, uma coisa se mantém estável: o cérebro humano. Ele continua a tomar decisões da mesma maneira como tem feito por dezenas de milhares de anos. Existem duas formas de pensamento. Uma é rápida, intuitiva e guiada pelas emoções. A outra é lenta e mais ponderada. A

Saiba mais…